Crédito da imagem: Elis Regina em foto de reprodução.

Saudade do Brasil há exatos 36 anos, Elis tem remixado álbum antológico de 1972

Mauro Ferreira

Ontem(20/01) fez 36 anos que Elis Regina Carvalho Costa (Porto Alegre / RS, 17 de março de 1945 – São Paulo / SP, 19 de janeiro de 1982) saiu precocemente de cena, aos produtivos 36 anos, assombrando, enlutando e assustando o Brasil. Um dos melhores álbuns da cantora gaúcha, o Elis de 1972, será relançado neste primeiro semestre de 2018 em edição não somente remasterizada, mas também remixada.

Projeto de João Marcelo Bôscoli, a reedição do álbum Elis (Philips) nada tem a ver com efemérides. Até porque, ao longo desses 36 anos, já ficou evidente que Elis vive na memória do Brasil que cultua a MPB surgida na era dos festivais, plataforma para a ascensão da cantora a partir de 1965. Há quem sustente que Elis foi a maior cantora do Brasil de todos os tempos. Não há exagero nisso, como tampouco há exagero em quem aponta Gal Costa e Maria Bethânia – cantoras que lançaram os primeiros discos em 1965, ano da explosão de Elis, e que se projetaram naqueles mesmos efervescentes anos 1960 – como intérpretes da mesma grandeza de Elis.

Estrelas instantâneas daquela década, Gal e Bethânia se confirmaram grandes e singulares cantoras ao longo dos últimos 53 anos. Elis viveu pouco, mas fez muito nesse breve tempo que lhe foi destinado. Porque, a rigor, foi no período de 1965 a 1981 que Elis se imortalizou, já que a pré-histórica discografia de 1960 a 1963 nunca esteve à altura da voz que já se insinuava rara naqueles compactos e LPs juvenis. Ou seja, Elis fez tudo o que fez de importante em apenas 17 anos.

Tão grande quanto a voz foi o faro de Elis para selecionar repertório, ainda que às vezes o repertório de um disco lhe chegasse pelas mãos de produtores e/ou executivos da indústria fonográfica, como Roberto Menescal, o verdadeiro mentor do irretocável cancioneiro gravado por Elis no ora remexido álbum de 1972 – o disco em que, (pela primeira vez) sob a batuta de César Camargo Mariano, Elis deu voz a Atrás da porta (Francis Hime e Chico Buarque, 1972), a Nada será como antes (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, 1972) e a Mucuripe (Fagner e Belchior, 1972), entre outras músicas à altura da magnitude da cantora.

Sim, Elis vive, faz sombra e, de certa forma, paira em cena como a imorredoura saudade do Brasil!

G1
https://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/post/saudade-do-brasil-ha-exatos-36-anos-elis-tem-remixado-album-antologico-de-1972.ghtml

Outras Notícias

'Afogamento' aponta no horizonte álbum em que Roberta Sá canta 11 inéditas de Gil

Mauro FerreiraEm rotação na web a partir deste fim de semana, através da Gegê Produções, o single ...

Guitarra de Bob Dylan é leiloada por US$ 495 mil em Nova York

France PresseUma guitarra de Bob Dylan, símbolo de sua mudança para o som elétrico, foi vendida neste sábado (19...

De Trevo a Clareiamô, Anavitória faz público delirar no Campus Festival 2018

Um dos shows mais esperados do Campus Festival, o duo Anavitória começou a se apresentar por volta das 20h do sábado ...

Arnaldo Antunes dá caráter feminino ao samba em single em que cita Ivone Lara

Mauro FerreiraSem sair do universo do rock, Arnaldo Antunes entra no mundo do samba com álbum intitulado RSTUVXZ...