Crédito da imagem: Foto de reprodução - G1.

Livro com álbuns dos anos 1970 perpetua legado do som afro-barroco dos Tincoãs

Mauro Ferreira

Um dos grupos mais importantes do universo musical afro-brasileiro, o trio baiano Os Tincoãs – idealizado em 1959 com o intuito de cantar boleros e efetivamente formado em 1960 na cidade interiorana de Cachoeira (BA) pelos cantores Erivaldo Brito, Heraldo Bozas e Grinaldo Salustiano, o Dadinho – começou a deixar legado fundamental para a música do Brasil a partir dos anos 1970. Foi nessa década que Dadinho (que morreria em 2000), Heraldo (que sairia de cena em 1975) e Mateus Aleluia (recrutado em 1963 para o lugar de Erivaldo, que deixara o grupo naquele ano) gravaram em 1973 o primeiro álbum fundamental da discografia dos Tincoãs.

Lançado originalmente naquele ano de 1973, o álbum Os Tincoãs (EMI-Odeon) volta ao catálogo encartado no livro Nós, Os Tincoãs ao lado de outros dois álbuns também relevantes do grupo, O africanto dos Tincoãs (RCA-Victor, 1975) e Os Tincoãs (RCA-Victor, 1977), lançados no auge do trio. O disco de 1975 foi gravado por Mateus e Dadinho com Morais, convidado para ocupar o lugar vago com a saída de Heraldo. Já o álbum de 1997 foi gravado por Mateus e Dadinho com Getúlio de Souza, o Badu, que em 1976 substituiu Morais, cujo tempo de permanência no grupo foi curto. É o disco que trouxe Cordeiro de Nanã (Mateus Aleluia e Dadinho), a música mais popular do cancioneiro dos Tincoãs.

As reedições em CD dos três discos são vendidas somente com o livro, cuja edição – bancada pelo projeto Natura Musical e lançada em dezembro de 2017 – compila dados e memórias sobre a trajetória dos Tincoãs. Escritos por nomes como Adelzon Alves, Carlinhos Brown, Letieres Leite, Martinho da Vila, Iuri Ricardo Passos (ogã do terreiro do Gantois) e Víviam Caroline (jornalista e líder da banda baiana Didá), além do remanescente tincoã Mateus Aleluia, os textos foram selecionados por Gringo Cardia, diretor de arte do livro.

Por mais que o livro se ressinta de maior organicidade na exposição dos dados e fatos da história do grupo, a leitura permite o conhecimento da trajetória básica e da importância do som afro-barroco d'Os Tincoãs, criado a partir de mistura dos toques de instrumentos do Candomblé com o toque do violão barroco e com as vozes dos cantores. Vozes que harmonizavam o timbre agudo de Dadinho com o tom grave de Mateus, os dois vocalistas mais importantes dos Tincoãs, grupo cuja discografia compreende seis álbuns, sendo que o penúltimo, Canto coral afro-brasileiro, gravado em 1983 antes de viagem do trio a Angola, nunca foi lançado comercialmente.

Produto e reflexo da diáspora africana, a música imortal produzida nos anos 1970 e 1980 pelo grupo Os Tincoãs segue influenciando gerações que levam adiante a tradição dos sons afro-brasileiros.

G1
https://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/post/livro-com-albuns-dos-anos-1970-perpetua-legado-do-som-afro-barroco-dos-tincoas.ghtml

Outras Notícias

'Afogamento' aponta no horizonte álbum em que Roberta Sá canta 11 inéditas de Gil

Mauro FerreiraEm rotação na web a partir deste fim de semana, através da Gegê Produções, o single ...

Guitarra de Bob Dylan é leiloada por US$ 495 mil em Nova York

France PresseUma guitarra de Bob Dylan, símbolo de sua mudança para o som elétrico, foi vendida neste sábado (19...

De Trevo a Clareiamô, Anavitória faz público delirar no Campus Festival 2018

Um dos shows mais esperados do Campus Festival, o duo Anavitória começou a se apresentar por volta das 20h do sábado ...

Arnaldo Antunes dá caráter feminino ao samba em single em que cita Ivone Lara

Mauro FerreiraSem sair do universo do rock, Arnaldo Antunes entra no mundo do samba com álbum intitulado RSTUVXZ...