Governo ainda não tem fonte de recursos para criar Auxílio Brasil permanente de R$ 400, diz secretário da Economia

  • 23/11/2021
  • 0 Comentário(s)

Governo ainda não tem fonte de recursos para criar Auxílio Brasil permanente de R$ 400, diz secretário da Economia

O secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago, afirmou nesta segunda-feira (22) que o governo ainda não identificou uma fonte de recursos permanente que permita custear um Auxílio Brasil de pelo menos R$ 400 nos próximos anos.


Até esta segunda, o governo federal dizia que o Auxílio Brasil – programa que substitui o Bolsa Família – seria complementado até o valor mínimo de R$ 400 apenas até o fim de 2022. Isso porque, para criar uma complementação permanente, é preciso indicar uma fonte permanente de verbas.

Pela manhã, no entanto, o líder do governo no Senado e relator da PEC dos Precatórios na casa, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou ao blog da jornalista Ana Flor que o governo aceitou tornar esse valor permanente. Mas não explicou de onde virá o dinheiro. 

“O que nos falta tecnicamente para que o programa seja permanente é a questão da fonte permanente [de recursos]. A gente não tem hoje uma fonte permanente para que essa despesa seja permanente”, disse Colnago durante divulgação do relatório de receitas e despesas do governo federal.

Uma "fonte permanente de recursos", no jargão da economia pública, pode surgir de duas formas: cortando despesas permanentes atuais ou criando novas fontes de receitas (por exemplo, um novo imposto).
Já a complementação temporária, válida só até o fim de 2022, foi incluída pelo governo na PEC dos Precatórios, que já passou na Câmara dos Deputados e ainda precisa ser aprovada em dois turnos no Senado.

A PEC autoriza o governo a adiar o pagamento de parte das dívidas judiciais (precatórios) previstas para o ano que vem – e define que o dinheiro a ser "poupado" nesse adiamento seja usado para reforçar o Auxílio Brasil. Essa fonte de recursos, no entanto, só existirá em 2022.

Em debate no Senado no início da tarde desta segunda-feira, Colnago afirmou que a eventual aprovação da PEC dos Precatórios abrirá espaço de R$ 106,1 bilhões no teto de gastos em 2022. Desse valor, R$ 51,1 bilhões estariam reservados para garantir o pagamento de R$ 400 no Auxílio Brasil.

Também nesta segunda, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), chamou de "ideia inteligente" a criação de um Auxílio Brasil permanente com piso de R$ 400 por beneficiário. O político não arriscou apontar uma fonte de recursos para essa complementação.
Exigência da LRF
Durante a apresentação do relatório, no fim da tarde, o secretário lembrou que a obrigação de apresentar uma fonte permanente de recursos decorre da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).
Colnago explicou que a aprovação da PEC abre o espaço fiscal para o programa no teto de gastos de 2022. Para os anos seguintes, no entanto, o pagamento dessa complementação estaria condicionado à indicação de uma fonte de recursos permanente.

“A gente não tem a ilusão de que não vá ter uma pressão muito grande para [o valor de R$ 400] ser permanente. Mas fiscalmente falando, não gostaríamos de afastar a fonte de recursos”, disse Colnago.

Para o governo conseguir pagar os R$ 400 prometidos a partir de dezembro, Colnago avalia que a PEC dos Precatórios precisaria ser aprovada até o próximo dia 15.

Caso o Senado demore mais a aprovar a proposta, uma opção para o Ministério da Cidadania operacionalizar o programa seria pagar o valor atual no calendário previsto e, até o fim do mês, fazer um repasse extra às famílias para chegar aos R$ 400.

“Como já foi feito em outros programas, em situações anteriores, você pode tentar rodar uma folha [de pagamentos] suplementar. Então você paga os cerca de R$ 200 na data certa e corre para pagar uma folha suplementar até o dia 31 de dezembro”, sugeriu.

A partir de novembro, quando o governo começou a pagar o Auxílio Brasil, o valor médio do benefício sofreu um reajuste de 17,84% para cobrir a inflação – exceção em que a LRF não exige a compensação. Para suceder o Bolsa Família, que tinha valor médio de R$ 189, o novo programa pagou em média R$ 224,41 para cada família em novembro.

Tributação de dividendos
Como opção de fonte permanente de recursos para bancar o Auxílio Brasil, o secretário citou a retomada da tributação de lucros e dividendos, que faz parte da reforma do Imposto de Renda. Apesar de ter sido aprovado pela Câmara, o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, já reconheceu em diversas ocasiões que o texto não avançou no Senado.
Segundo Colnago, a taxação de lucros e dividendos aprovada pela Câmara cobriria parte do aumento no valor do benefício. Ainda assim, seria necessária outra fonte permanente para cobrir totalmente os R$ 400.

Porém, o secretário lembrou que o ministério também tem um conjunto de estudos sobre a redução de benefícios tributários e a redução de outras despesas obrigatórias.

“Se for aprovado, ele [o IR sobre dividendos] pode ser uma fonte. Senão, vamos ter que buscar outras fontes nesses dois conjuntos: a redução de despesas ou de benefícios tributários”, afirmou.

#Compartilhe

0 Comentários


Deixe seu comentário








Aplicativos


Locutor no Ar

Top 5

top1
1. She believes in me

Kenny Rogers

top2
2. Morro Velho

Milton Nascimento

top3
3. Vulnerable

Roxette

top4
4. You Belong To The City

Glenn Frey

top5
5. La La (Means I Love You)

Delfonics

Anunciantes