Mostra virtual e gratuita traz filmes em que a música é protagonista

  • 11/10/2021
  • 0 Comentário(s)

Mostra virtual e gratuita traz filmes em que a música é protagonista

Janeiro de 1975. Tudo pronto para a realização da primeira edição do festival Hollywood Rock no Rio de Janeiro. Só que não, pois uma chuva torrencial inundou, a uma semana da estreia, o campo do Flamengo, onde o evento seria realizado. A solução foi transferi-lo, em cima da hora, para o campo do Botafogo. Mas a chuva continuou.

Lançado em 1975, o documentário “Ritmo alucinante”, de Marcelo França, acompanha boa parte do que ocorreu durante quatro sábados consecutivos do início daquele ano. Sem nenhuma tradição de grandes eventos – vamos lembrar que o Rock in Rio só estrearia 10 anos mais tarde –, o Rio recebeu o evento com as grandes atrações da época: Rita Lee e Tutti Frutti, Raul Seixas, O Terço, Erasmo Carlos, Cely Campello.

O documentário foi também o primeiro do gênero no país – antecipou, de certa maneira, a explosão da música jovem que se daria na década de 1980. “Ritmo alucinante” é uma das sete produções que serão exibidas a partir desta segunda (11/10) na 21ª. edição da Mostra Curta Circuito. Pelo segundo ano consecutivo, o evento terá formato virtual.

Edição que se dedica a exibir longas que abordem a relação da música com o cinema, acompanha 20 anos da produção brasileira – de “Roberto Carlos e o diamante cor-de-rosa”, dirigido por Roberto Farias em 1970, até “Stelinha”, de Miguel Faria Jr., lançado em 1990.

EMBRAFILME
“Encerramos (no domingo, 17/10) de forma emblemática, já que ‘Stelinha’ foi a última produção da Embrafilme (a estatal foi extinta em março daquele ano pelo Governo Collor) e aquele período se assemelha muito com o tempo que estamos vivendo agora, com as dificuldades da Ancine”, afirma Daniela Fernandes, diretora do Curta Circuito.
O grosso da programação é dos anos 1980, quando várias produções reverberavam o nascimento do Rock Brasil. É, inclusive, uma das maiores referências da época, “Bete Balanço” (1984), que abre a mostra. Longa de estreia de Lael Rodrigues, que marcou também o início de uma trilogia que fazia a interseção entre cinema e música (ele lançou “Rock estrela” em 1985 e “Rádio pirata” em 1987), traz Débora Bloch como a personagem-título, uma garota de Governador Valadares que se muda para o Rio para tentar a carreira como cantora.

O elenco conta com Lauro Corona e Diogo Vilela, mas traz também o Barão Vermelho – Cazuza viveu o personagem Tininho na história. A canção-título foi um dos carros-chefes de “Maior abandonado”, terceiro álbum do Barão Vermelho e último com o vocalista original.

Djavan é outro cantor e compositor que também viveu uma papel na ficção. Ele foi o coprotagonista de “Para viver um grande amor” (1984), um dos títulos de Miguel Faria Jr. na mostra, que conta um drama amoroso nascido do musical “Pobre menina rica”, de Vinicius de Moraes e Carlos Lyra.

MEMÓRIA
Como evento que trabalha com a memória do cinema brasileiro, o Curta Circuito tem sofrido, nos últimos anos, com o desmantelamento da Cinemateca Brasileira, principal fonte para conseguir empréstimo de cópias de filmes antigos. “Onde achá-las, já que muitos realizadores não têm ou têm somente cópia em película?”, comenta Daniela. Nesta edição houve o apoio do Canal Brasil, que emprestou várias cópias, viabilizando a realização do evento.
A mostra também nunca se limitou à exibição, trazendo sempre material complementar. Com o formato digital, a oferta de iniciativas correlatas aumentou. As exibições são gratuitas em plataforma própria, sem necessidade de cadastro. Complementando, há debates, podcasts e um caderno de crítica, disponível também em formato audiolivro.

Este material ficará disponível no site do evento depois de sua realização, fazendo com que, a cada edição, o Curta Circuito aumente o seu banco de dados sobre a memória do cinema brasileiro.
Os debates on-line reúnem jornalistas e pesquisadores, conversando com diretores e músicos dos filmes exibidos. Luiz Carlini, guitarrista do Tutti Frutti, que em sua fase inicial foi a banda de Rita Lee pós-Mutantes, conta em webinar como foi o festival que deu origem ao documentário “Ritmo alucinante” e o cenário da música pop na época.

“No Brasil dos anos 1970, não tínhamos infra para fazer um evento tão grande (o público total foi de 40 mil pessoas), nem experiência. Faziam milagres para ter um festival”, conta ele. Banda de abertura do evento, sofreu com a chuva. “Passamos o som, fui para o Hotel Santa Tereza e, na volta, era um trânsito infernal. Não conseguia chegar, estacionar, estavam só me esperando. Quando subi no palco, vi que o teto era uma lona. Tinha deixado minha guitarra, uma Gibson, num tripé ao lado do amplificador. Quando peguei, vi que ela estava encharcada, pois tinha uma goteira em cima. Não dá nem para explicar, mas ela foi secando durante o show”, relembra Carlini.
PARA CURTIR
Confira a programação da mostra

>> Hoje (11/10)
“BETE BALANÇO”
De Lael Rodrigues, 1984, com Débora Bloch, Lauro Corona, Diogo Vilela, Maria Zilda Bethlem, Hugo Carvana e Cazuza. Webinar e podcast com o crítico Lufe Steffen e o compositor Zéh Netto
Cena do filme

>> Terça (12/10)
“ROBERTO CARLOS E O DIAMANTE COR-DE-ROSA”
De Roberto Farias, 1970, com Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa, Paulo Porto, José Lewgoy e Teruo Nakatani. Webinar e podcast com o crítico Fernando Oriente e o compositor Alberto Rosenblit


>> Quarta (13/10)
“RITMO ALUCINANTE”
De Marcelo França, 1975, com Rita Lee, Tutti Frutti, Raul Seixas, Scarlett Moon, O Terço, Celi Campelo e Erasmo Carlos. Webinar e podcast com o crítico Ricardo Schott, o diretor de fotografia Jom Tob Azulay e o guitarrista Luiz Carlini
cena do filme corações a mil

>> Quinta (14/10)
“CORAÇÕES A MIL”
De Jom Tob Azulay, 1983, com Gilberto Gil, Regina Casé e Joel Barcellos. Webinar e podcast com a crítica Eliska Altman e o diretor do filme Jom Tob Azulay
cena do filme para viver um grande amor

>> Sexta (15/10)
“PARA VIVER UM GRANDE AMOR”
De Miguel Faria Jr, 1984, 103', com Djavan, Patricia Pillar, Paulo Goulart, Zezé Motta, Elba Ramalho, Nelson Xavier, Gloria Menezes. Webinar e podcast com a crítica Gabriela Wondracek e o compositor Rafael Vicole
cena do filme %u201CUM TREM PARA AS ESTRELAS

>> Sábado (16/10)
“UM TREM PARA AS ESTRELAS”
De Carlos Diegues, 1987, com Guilherme Fontes, Milton Gonçalves, José Wilker, Betty Faria e Taumaturgo Ferreira. Webinar e Podcast com o crítico Eduardo Haak e a curadora Andrea Ormond


>> Domingo (17/10)
“STELINHA”
De Miguel Faria Jr., 1990, com Ester Góes, Marcos Palmeira, André Barros, Lília Cabral. Webinar e podcast com o crítico João Carlos Rodrigues e o compositor e músico Felipe Radicetti

#Compartilhe

0 Comentários


Deixe seu comentário








Aplicativos


Locutor no Ar

Top 5

top1
1. Onde Esta Voce

Tim Maia

top2
2. Eu Sei

Marisa Monte

top3
3. Rio de Janeiro

Barry White

top4
4. So Beautiful

Chris De Burgh

top5
5. From this moment on

Shania Twain

Anunciantes